quarta-feira, 17 de agosto de 2011

PERSEVERAR E PERMANECER



Diversas vezes usamos das palavras de forma automática sem perceber realmente o que elas significam, ou seja, qual a verdadeira intenção que ela leva por trás das letras que as constituem e que proporcionam ao interlocutor uma boa conversa e uma transmissão eficaz de sua mensagem? Outras vezes reprisamos palavras nas quais ouvimos, mas que não entendemos o real contexto a que ela pertence.

Nas últimas semanas duas palavras ganharam destaque em meus diálogos e discursos, não porque as usei de forma exagerada ou fora do contexto, mas porque parei por um minuto e me questionei o que elas verdadeiramente queriam transmitir. E assim como os animais que passam o dia “ruminando” sentindo o sabor das coisas a cada pedaço, tentei entender o que elas expressam no sentido real e no sentido da qual buscava. Essas duas palavras são PERSERVERAR e PERMANECER.

Buscando a etimologia das duas palavras encontrei o seguinte: PERSEVERAR vem do latim e significa “per – através” e “severus – sério/estrito”. A palavra PERMANECER também de origem latina significa “per – através” e “manere – ficar”. A partir das respostas de minhas pesquisas consegui entender o que Jesus queria dizer quando nos pedia para permanecer e para perseverar. Ambas as palavras nos conduzem a uma sensação de entrelaçamento, de uma relação autêntica toda alicerçada no amor, na fidelidade, no serviço e na esperança aos projetos e desejos de Cristo.

Para permanecer é preciso perseverar, e como nos indica o significado é preciso através da seriedade e do caminho estreito assumir Cristo como único Senhor. Para isso se faz necessário assumir um único caminho, o caminho que nos transporta aos braços do Pastor que anseia pelas suas ovelhas. Logo quem consegue executar a perseverança tem automaticamente o ensejo de perseverar no amor de Cristo. Tem a oportunidade de através do amor d’Ele ficar sempre, ou seja, de permanecer nos caminhos concretos da vida. Não existe perseverança sem permanência e vice-versa, ambas são totalmente necessárias para uma trajetória na fidedigna realidade de filhos de Deus.

PENSE NISSO!
Abraço Fraterno
Gabriel Calvi

Um comentário:

Maria do Rosario S Gandini de Campos disse...

Gostei muito! Também estava buscando a diferença entre as duas palavras que Jesus cita várias vezes na Palavra deste Tempo Litúrgico.
Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo
Salve Maria